Gestão da Inovação: o Caso da Celulose Irani (SC)

Autores

  • Nelson Santos Machado Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc
  • Gabriela Terezinha Luchese Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc
  • Fernando Fantoni Bencke Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.5.1.258

Palavras-chave:

Inovação, Núcleo de Inovação, Estratégia

Resumo

A inovação é uma competência essencial para qualquer organização que deseja permanecer no mercado e se diferenciar da concorrência. Desta forma, faz-se necessário que as organizações estruturem e controlem os processos de inovação, sendo uma das formas a criação de um departamento específico para estas atividades. Neste contexto, o presente trabalho tem por objetivo compreender a trajetória da implantação da gestão da inovação na empresa Celulose Irani. Trata-se de um estudo de caso com pesquisa de avaliação e abordagem qualitativa. A base dos dados utilizada foi pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e entrevistas guiadas. Com base nas informações coletadas, conclui-se que a empresa está estruturada e organizada para o desenvolvimento de atividades de inovação, mas, como em todo processo, requer melhorias para potencializar os resultados almejados. A presente pesquisa contribuiu neste sentido, ao descrever o processo de gestão da inovação da Celulose Irani e ao desenvolver análise crítica com base na posição de alguns dirigentes/técnicos e por meio da comparação com o referencial teórico considerado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Terezinha Luchese, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

Graduada em Administração pela Unoesc Joaçaba (SC) e Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação na UFSC.

Fernando Fantoni Bencke, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

Professor e pesquisador do Mestrado Profissional e Doutorado em Administração da Unoesc Chapecó (SC)

Referências

Adams, R; Bessant, J.; Phelps, R. (2006). Innovation management measurement: a review. International Journal of Management Reviews, v.8, Issue 1, p.21-47.
Bin, A.; Salles-Filho, S. L. M. (2012). Science, technology and innovation management: contributions to a methodological framework. Journal of Technology Management and Innovation, 7 (2), p. 73-86.
Coral, E., Ogliari, A., & Abreu, A. F. (Orgs.) (2009). Gestão Integrada da Inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. São Paulo, SP: Atlas.
Fayet, E. A. (Org.). (2010). Gerenciar a inovação: um desafio para as empresas. Curitiba, PR: IEL/PR.
Christensen, C. (2006). The ongoing process of building a theory of disruption. The Journal of Product Innovation Management, v. 23, n. 1.
Fiates, G. G. S; & Fiates, J. E. A. (2008). A inovação como estratégia em ambientes turbulentos. In M. T. Angeloni; & C. C. Mussi (Orgs.), Estratégias: formulação, implementação e avaliação. O desafio das organizações contemporâneas. São Paulo, SP: Saraiva.
Gavira, M. O. (2008). Gestão da inovação em subsidiárias de multinacionais do setor eletroeletrônico instaladas no Brasil. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Campinas: Unicamp.
Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa (4 ed.). São Paulo, SP: Atlas.
Gomes, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa (2004). In M. C. S. Minayo (Org.), Pesquisa social: teoria, método e criatividade (Cap. 4, pp. 67-80, 23 ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.
Hamel, G.; & Sayago, A. (2007). Implementando a inovação. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.
Lanzer, E. A., Freitas, F. L. F.º, Muller, L., Bocchino, L., Macedo, M., Labiak, S. Jr., & Conceição, Z. (2012). O processo de inovação nas organizações do conhecimento. Florianópolis, SC: Pandion.
Organisation for Economic Co-operation and Development – OECD (2005). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação (3. ed.). Rio de Janeiro, RJ: ARTI/FINEP.
Pfitzner, M. S.; Salles-Filho, S. L. M.; Brittes, J. L. P. (2016). Gestão da Inovação Tecnológica nas Organizações: Proposta de um Modelo Teórico-Conceitual Aplicável a Empresas do Setor Elétrico Brasileiro. Desafio Online, v. 2, n. 1, p. 131-150.
Quadros, R. (2008, Agosto). Aprendendo a inovar: padrões de gestão da inovação tecnológica em empresas industriais brasileiras. Recuperado em 11 fevereiro, 2013, de <http://www.extecamp.unicamp.br/ gestaodainovacao/biblioteca/Quadros_(2008).pdf>.
Selltiz, C., Wrightsman, S. L, & Cook, S. W. (1987). Métodos de pesquisa nas relações sociais (Vol. 1). São Paulo, SP: EPU.
Smith, M. et al. (2008). Factors influencing and organisation’s ability to manage innovation: a structured literature review and conceptual model. International Journal of Innovation Management, v.12, n°4, p.655-676, December.
Terra, J. C., Frederick, B, Vernalha, F., Romão, M., Manhães, M. & Leonardi, S. (Orgs.). (2012). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro, RJ: Campus.
Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação (3. ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.
Tigre, P. B. (2006). Gestão da Inovação: a economia da tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.
Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: planejamento e métodos (2. ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Downloads

Publicado

2019-01-01

Edição

Seção

Artigos Científicos