Design de Serviços em uma Organização Pública com Produção Industrial

Autores

  • Caroline Maia do Carmo Vianna Dantas UFRRJ
  • Thiago Borges Renault UFRRJ

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.8.3.645

Palavras-chave:

GESTÃO PÚBLICA, DESIGN DE SERVIÇOS, INOVAÇÃO EM SERVIÇOS, INOVAÇÃO CENTRADA NO USUÁRIO, EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO, UX, PROTO-PERSONA, JORNADA DO USUÁRIO, BLUEPRINT DE SERVIÇOS

Resumo

O objetivo do estudo é a aplicação do design de serviços em organização pública com produção industrial gráfica. Neste intuito fundamenta-se na literatura sobre design de serviços, inovação em serviços centrada no usuários, proto-personas, jornada dos usuários, blueprint de serviços e user experience (UX) para coletar, tratar e processar dados oriundos dos questionários anônimos submetidos aos usuários do quinquênio 2015-2019 a respeito de suas experiências de uso. Consecutivamente, a pesquisa aplica as ferramentas provenientes da literatura, propondo soluções aplicadas e empáticas às necessidades vigentes dos usuários para desenvolver serviços com maior valor perceptível aos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Borges Renault, UFRRJ

Professor do Departamento de Ciências Administrativas (DCAd) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professor do Programa de Pós-graduação em Gestão e Estratégia e do Programa de Pós-graduação em Economia Regional. Membro do Centro de Estudos Avançados da UFRRJ. Economista com mestrado e doutorado em engenharia de produção, atua há vinte anos em atividades de ensino, pesquisa e extensão em temas relacionados à inovação e ao empreendedorismo. Pós doutorado no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro em Portugal, Pós doutorado no Research Policy Institute da Universidade de Lund na Suécia (Bolsista CAPES), pesquisador visitante na Universidade de Havana em Cuba (Bolsista CAPES). Aluno da academia Globelics de doutorado na Universidade de Tampere na Finlândia (Bolsa concedida pelo governo da Finlândia). Membro do Painel Consultivo de Políticas de Inovação estabelecido pelo Departamento de Desenvolvimento Econômico da província de Gauteng na África do Sul em 2013. Membro do National Advisory Council - NACI, ligado do Department of Science and Techonology do governo da Africa do Sul (2017 - 2018). Membro do conselho consultivo do Rio Criativo em 2013 e membro do conselho consultivo do Plano Nacional de Empreendedorismo desenvolvido pela secretaria nacional da Juventude em 2017. Membro do conselho científico da conferência nacional da ANPROTEC em 2017, 2018 e 2019. Membro do conselho do programa de iniciação a inovação da UFRRJ (PIBITI/CNPq/UFRRJ). Coordenador do Programa de Iniciação à Inovação da Universidade Federal Fluminense (2015 - 2017). Foi assessor técnico da Presidência (2015 - 2016) e Diretoria de Tecnologia e Inovação da FAPERJ (2016-2018). Foi diretor da Agência de Inovação da Universidade Federal Fluminense (2015 - 2017). Foi coordenador adjunto do Centro de Estudos Avançados da UFRRJ (2018-2019). Consultor do Sebrae RJ para assuntos relacionados à inovação e empreendedorismo em pequenas e médias empresas (2003 - 2019). Consultor ad hoc do CNPq para assuntos relacionados a inovação tecnológica (bolsista avaliador nos anos de 2012 e 2013). Pesquisador associado do Laboratório de Inovação Tecnológica, Organizacional e em Serviços - LabrInTOS/COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador associado do Triple Helix Research Group Brazil da Universidade Federal Fluminense. Coordenador do Núcleo de Estudos sobre Inovação - NEIN, vinculado à UFRRJ.

Referências

Almeida, M. F. D. (2018). Dinâmica das interações na inovação em serviços centrada no usuário à luz da estratégia como prática. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

Brown, T. (2020). Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Alta Books.

Damanpour, F., & Gopalakrishnan, S. (2001). The dynamics of the adoption of product and process innovations in organizations. Journal of management studies, 38(1), 45-65.

Daniel, V. M., de Lima, M. P., & Dambros, Â. M. F. (2017). Innovation capabilities in services: A multi-cases approach. Academia Revista Latinoamericana de Administración.

Dias, G. A., Coura, K. V., Athayde, A. L. M., Farias, J. S., & Demo, G. (2019). A Prestação de Serviços Públicos pelo Governo Eletrônico: Uma Análise da Produção Científica Internacional. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, 5(3), 55-74.

Easterby-Smith, M. Thorpe; Thorpe, R. R. And Lowe, A.(1991). Management research: An introduction, v. 1

Finstad, K. (2010). The usability metric for user experience. Interacting with Computers, 22(5), 323-327.

Gallouj, F. (1998). Innovating in reverse: services and the reverse product cycle. European Journal of Innovation Management.

Idoughi, D., Seffah, A., & Kolski, C. (2012). Adding user experience into the interactive service design loop: a persona-based approach. Behaviour & Information Technology, 31(3), 287-303.

ISO (1999). ISO 13407: Human-centred design processes for interactive systems. Gènève: International Organisation for Standardisation.

ISO (1997). ISO 9241-11: Ergonomic requirements for office work with visual display terminals (VDTs). Part 11 — Guidelines for specifying and measuring usability. Gènève: International Organisation for Standardisation.

Jorge, G. A., & Miyake, D. I. (2015). Estudo comparativo das ferramentas para mapeamento das atividades executadas pelos consumidores em processos de serviço. Production, 26, 590-613.

Liang, L., Kuusisto, A., & Kuusisto, J. (2018). Building strategic agility through user-driven innovation: The case of the Finnish public service sector. Theoretical Issues in Ergonomics Science, 19(1), 74-100.

Kalbach, J. (2019). Mapeamento de experiências: um guia para criar valor por meio de jornadas, blueprints e diagramas. Alta Books.

Knijnenburg, Bart P; Willemsen, Martijn C.; Zeno, Gatner; Soncu, Hakan; Newell, Chris (2012). Explaining the user experience of recommender systems. User Modeling and User-Adapted Interaction, v. 22, n. 4-5, p. 441-504.

Milles. Ian. (2005) Innovation in Services. In: FAGERBERG, Jan et al. (Ed.). The Oxford handbook of innovation. Oxford university press, cap. 16, p. 433-458.

Moritz, Stefan. (2005) Service design. Practical access to an evolving field. Köln International School of Design.

Nielsen, J. (2007). Usabilidade na web. Elsevier Brasil.

OCDE. (2006) Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre inovação. 3. ed. Paris: Ocde.

Pereira, R. (2018). User Experience Design: Como criar produtos digitais com foco nas pessoas. Editora Casa do Código.

Perks, H., Cooper, R., & Jones, C. (2005). Characterizing the role of design in new product development: An empirically derived taxonomy. Journal of product innovation management, 22(2), 111-127.

Prodanov, C. C., & De Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico-2ª Edição. Editora Feevale.

Polaine, A., Løvlie, L., & Reason, B. (2013). Service design: From insight to inspiration. Rosenfeld media.

Normann, R., & Ramirez, R. (1998). Designing interactive strategy: From value chain to value constellation.

Ramos, M., Merino, E. A. D., Merino, G. S. A. D., & Ferreira, M. G. G. (2016). Design de Serviços e Experiência do Usuário (UX): uma análise do relacionamento das áreas. D’APesquisa, 11(16), 105-123.

Roesch, Sylvia Maria Azevedo; Becker, Grace Vieira; De Mello, Maria Ivone. (1999) Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. Editora Atlas SA.

Schumpeter, J. (1988). A. Teoria do Desenvolvimento Econômico, 3ª edição.

Simmons, R., & Brennan, C. (2017). User voice and complaints as drivers of innovation in public services. Public Management Review, 19(8), 1085-1104.

Stickdorn, M., & Schneider, J. (2014). Isto é design thinking de serviços: fundamentos, ferramentas, casos. Bookman Editora.

Sundbo, J., & Gallouj, F. (2000). Innovation as a loosely coupled system in services. International Journal of Services Technology and Management, 1(1), 15-36.

Sundbo, J., & Toivonen, M. (Eds.). (2011). User-based innovation in services. Edward Elgar Publishing.

Trischler, J., & Scott, D. R. (2016). Designing Public Services: The usefulness of three service design methods for identifying user experiences. Public Management Review, 18(5), 718-739.

Van Boven, L., & Gilovich, T. (2003). To do or to have? That is the question. Journal of personality and social psychology, 85(6), 1193.

Vargas, E. R. D. (2006). A dinâmica da inovação em serviços: o caso dos serviços hospitalares no Brasil e na França.

Vianna, M. (2012). Design thinking: inovação em negócios. Design Thinking.

Von Hippel, E. (2007). The sources of innovation. In Das Summa Summarum des Management (pp. 111-120). Gabler.

Ye, H. J., & Kankanhalli, A. (2018). User service innovation on mobile phone platforms: Investigating impacts of lead userness, toolkit support, and design autonomy. MIS quarterly, 42(1), 165-188.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Edição

Seção

Artigos Tecnológicos