Regulamentação Profissional:

Formação e prerrogativas de atuação profissional do Administrador frente à NBR 14.653-4 – Avaliação de empreendimentos

Autores

  • Rodrigo Seixas UFF
  • Yuri de Souza
  • Pítias Teodoro Universidade Federal Fluminense
  • Yuri Vasconcellos

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.8.1.657

Palavras-chave:

Regulamentação profissional, Avaliação de empreendimentos, NBR 14.653, Administrador, Engenheiro

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi ‘Relacionar a formação e prerrogativas de atuação profissional do Administrador com a atividade de avaliação prevista na NBR 14.653-4 – Avaliação de empreendimentos’. A pesquisa possui abordagens qualitativa e quantitativa, cuja coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas pessoais junto a especialistas e pesquisa documental, tendo os projetos pedagógicos de 59 cursos de Administração e Engenharia (Civil e Produção) como objeto de pesquisa. Os resultados mais relevantes indicam que há convergência quanto a opinião dos especialistas ao reconhecer que o Administrador está apto a realizar a avaliação de empreendimentos e que sua formação acadêmica, em media possui maior aderência aos requisitos da norma NBR 14.653-4, que de Engenheiros (Civil e de Produção).  Entretanto, normas infraconstitucionais de regulamentação profissional definem o grupo de profissionais registrados no CREA (engenheiros, agrônomos, geólogos, geógrafos e dos meteorologistas) como aquele apto a realizar a atividade de avaliação de empreendimentos com base na NBR 14.653-4. Os resultados devem ser tratados como um indicativo sobre a regulação profissional relacionada à avaliação de empreendimentos no Brasil pois, em função das características da pesquisa não podem ser generalizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas (2001). NBR 14.653-1: Avaliação de bens. Parte 1: Procedimentos gerais. Rio de Janeiro: ABNT.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002). NBR 14.653-4: Avaliação de bens Parte 4: Empreendimentos. Rio de Janeiro: ABNT.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas (2016). Importância e benefícios. Disponível em http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-que-e/importancia-beneficios. Acesso em 05/06/2016.

Alyrio, R. D. (2009). Métodos e Técnicas de pesquisa em Administração. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ. Disponível em https://canal.cecierj.edu.br/recurso/6448. Acesso em 17 de julho de 2021.

Anastasiou, L. G. C. (2007). Propostas curriculares em questão: saberes e docentes e trajetórias da educação. In: Cunha, M. I. da (Org.). Reflexões e Práticas em Pedagogia Universitária. Campinas, SP: Papirus, 2007. ISBN 978-85-308-830-3. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3225361/mod_resource/content/1/Texto%20_%20Anastasiou_Propostas%20Curriculares%20%281%29.pdf. Acesso em 18 de julho de 2021.

Andrade, I. P. C. (2018). O sistema de profissões no Brasil: formação, expansão e fragmentação. Um estudo de estratificação social. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.8.2019.tde-15022019-124053. Recuperado em 2021-07-17, de www.teses.usp.br.

Brasil (1965). Lei Federal n.º 4.769, de 09 de setembro de 1965. Dispõe sobre o exercício da profissão de Técnico de Administração, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 set. Seção 1, p. 9.337.

Brasil (1966). Lei Federal n.º 5.194, de 24 de dezembro de 1966. Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 dez. Seção 1, p. 14.892.

Brasil (1985). Lei Federal n.º 7.321, de 13 de junho de 1985. Altera a Denominação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Técnicos de Administração, e dá outras Providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7321.htm. Acesso em 27 de janeiro de 2021.

Brasil (1996). Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. Seção 1, p. 27.833.

Camargo, M. (2018). O que faz um engenheiro? Instituto de engenharia, 2018. Disponível em https://www.institutodeengenharia.org.br/site/2018/08/07/o-que-faz-um-engenheiro/. Acesso em 8 de novembro de 2021.

Castro, N. (993). Qualificação, qualidades e classificações. Educação & Sociedade. Campinas. Ago 1993. n. 45, pp. 211-224.

CFA - Conselho Federal de Administração. Regulamento. http://www.cfa.org.br/institucional/legislacao/regulamento Acesso em 05/06/2016a.

CFA - Conselho Federal de Administração (2016b). Campos de Atuação Profissional. http://www.cfa.org.br/fiscalizacao/campos-de-atuacao/campos-de-atuacao-profissional. Acesso em 29 de maio de 2016.

CNE - Conselho Nacional de Educação (2002). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Engenharia, bacharelado, e dá outras providências. Resolução n.º 11, de 11 de março de 2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 32.

CNE - Conselho Nacional de Educação (2005). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, e dá outras providências. Resolução n.º 04, de 13 de julho de 2005. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jul. 2005. Seção 1, p. 26.

CONFEA - Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (1990). Dispõe quanto ao exercício por profissional de Nível Superior das atividades de Engenharia de Avaliações e Perícias de Engenharia. Resolução n.º 345, de 27 de julho de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 ago. 1990. Seção 1, p. 14.737.

CONFEA - Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (2016). Resolução n. 218 de junho de 1973. Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da engenharia, arquitetura e agronomia. Disponível em http://normativos.confea.org.br/downloads/0218-73.pdf. Acesso em janeiro de 2016.

CREA - Conselho Federal de Engenharia (2013). Manual de fiscalização de engenharia de avaliações. CREA PR, Curitiba.

Cunha, G. D. (2002). Um panorama atual da Engenharia da Produção no Brasil. Porto Alegre:[sn]. Disponível em http://www.abepro.org.br/arquivos/websites/1/PanoramaAtualEP4.pdf. Acesso em 18 de julho de 2021.

Dicio (2021). Dicionário online de português. Empreendimento. Disponível em https://www.dicio.com.br/empreendimento/. Acesso em 28 de outubro de 2021.

Fernandes, F. N. (2012). A criação de conselhos profissionais e a delegação da atividade de fiscalização de profissões regulamentadas. Disponível em https://jus.com.br/artigos/21519/a-criacao-de-conselhos-profissionais-e-a-delegacao-da-atividade-de-fiscalizacao-de-profissoes-regulamentadas. Acesso em 8 de novembro de 2021.

Günther, H. (2006) Pesquisa Qualitativa Versus Quantitativa. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, Mai-Ago, Vol. 22 n. 2, pp. 201-210. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010. Disponível em https://www.scielo.br/j/ptp/a/HMpC4d5cbXsdt6RqbrmZk3J/?lang=pt#. Acesso em 17 de junho de 2021.

Guimarães, R. G. M.; Rego, S. (2005). O debate sobre a regulamentação do ato médico no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 10 (sup) – p.7-17. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000500002. Acesso em 17.07.2021.

Hair Jr., J. F.; Anderson, R. E.; Tathan, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. 5ª Ed. Porto Alegre: Bookman.

ISO (2016). Padrões. http://www.iso.org/iso/home/standards.htm. Acesso em 05/06/2016

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia. Normalização e Qualidade Industrial (1992). O novo modelo brasileiro de normalização. Pesquisas INMETRO, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 7-11, set.

Leal, B. (2020). Regulamentar uma profissão é reconhecer sua importância na sociedade. Entrevista com Bruno Leal. Blog de HCS-Manguinhos. Publicado em 25/05/2020. Acesso em 08 de novembro de 2021. Disponível em: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/bruno-leal-regulamentar-uma-profissao-e-reconhecer-sua-importancia-na-sociedade/

Lima, J. C. F. (2013). Breve história das disputas em torno do processo de regulamentação profissional e educacional das profissões em saúde: do Brasil colonial à primeira república. In: Morosini, Márcia Valéria Guimarães Cardoso et al (Org.). Trabalhadores técnicos em saúde: aspectos da qualificação profissional no SUS. Rio de Janeiro: EPSJV, 2013. p. 49-81. ISBN: 978-85-98768-70-0. Disponível em https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/13864. Acesso em 17 de junho de 2021.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Manzini, E. J. (1991). A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158.

Marotti, J.; Galhardo, A. P. M.; Fruyama, R. J.; Pigozzo, M. N.; Campos, T. N. D.; Laganá, D. C. (2008). Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, v. 20, n. 2, p. 186-194.

Mattar, F. N. (2005). Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. 6ª ed. São Paulo: Atlas.

Menezes, E. T. de (2021). Verbete sistema educacional brasileiro. Dicionário Interativo da Educação Brasileira – Educa Brasil. São Paulo: Midiamix Editora, 2001. Disponível em https://www.educabrasil.com.br/sistema-educacional-brasileiro/. Acesso em 19 de julho de 2021.

Michaelis (2021). Dicionário. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. https://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=prescri%C3%A7%C3%A3o. Acesso em 17 de julho de 2021.

Moretin, P. A.; Bussab, W.de O. (2017). Estatística básica. 9ª ed. São Paulo: Saraiva.

Oliveira, T. M. V. de (2001). Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Administração On Line – Prática-Pesquisa-Ensino. ISSN 1517¬7912. Vol.2, N.3 (jul/ago/set). Disponível em https://gvpesquisa.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/veludo_-_amostragem_nao_probabilistica_adequacao_de_situacoes_para_uso_e_limitacoes_de_amostras_por_conveniencia.pdf. Acesso em 17 de julho de 2021.

Oliveira, V. F. (2005). A avaliação dos cursos de Engenharia de Produção. Revista Gestão Industrial, v. 01, n. 03: pp.001-012. ISSN 1808-0448. DOI: 10.3895/S1808-04482005000300001. Disponível em https://periodicos.utfpr.edu.br/revistagi/article/view/149/145. Acesso em 17 de julho de 2021.

Saraiva, A. M.; Amorim, L. F (2010). Influencia de la Ingeniería en el Desarrollo Comercial de la Humanidad: Edad Moderna. Revista Digital Lampsakos, No. 3. pp. 54-66. ISSN (En línea): 2145-4086. DOI: https://doi.org/10.21501/21454086.788

Silva, E. L. da; Menezes, E. M. (2005) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação - 4ª. ed. Florianópolis: UFSC.

Stallivieri, L. (2021). O sistema de ensino superior do brasil - características, tendências e perspectivas. Disponível em https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/sistema_ensino_superior.pdf. Acesso em 19 de julho de 2021.

Tcheou, H. (2002). Avaliação do ensino de contabilidade nos cursos de administração de empresas na cidade de São Paulo. 215 p. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica). FECAP - Faculdade Escola de Comércio Álvares Penteado, São Paulo.

Triola, M. F. (2014). Introdução à estatística – atualização tecnológica. 11ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto (2014). Diretrizes para elaboração de Projeto Pedagógico de Curso UFOP. http://www.prograd.ufop.br/arqdown/PPC_Diretrizes__para_elabora%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em 04 de junho de 2016.

Wikipédia (2020). A enciclopédia livre. Empreendimento. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Empreendimento. Acesso em 28 de outubro de 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-02

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)