Mulher macho, não senhor!

Um Estudo de Caso sobre a Percepção de Gestoras e seus Pares a Respeito do Modelo de Gestão Feminina

Autores

  • Clara Amorim Pontes Correia Lima Universidade Federal da Paraíba
  • Brena Carolina de Oliveira Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Joacil Carlos Viana Bezerra Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.6.3.352

Palavras-chave:

gestão organizacional, gestão feminina, estudo de caso, análise de conteúdo

Resumo

Com o objetivo de analisar a percepção das gestoras e seus pares no tocante às características de um modelo de gestor e como o gênero se associa a esse modelo, o estudo busca discutir junto à teoria se o modelo de gestão feminino é impeditivo para altos cargos de gestão. Sendo assim, abordou-se no referencial teórico o conceito de gestão organizacional e estudos atuais sobre a gestão feminina. Enquadrado como estudo de caso, este trabalho se caracteriza como uma pesquisa de abordagem qualitativa e descritiva, com a coleta de dados feita através de roteiros semiestruturado de entrevistas e análise dedutiva-verificatória-objetiva, configurando-se como análise de conteúdo. Quanto às limitações, elenca-se a rotina corrida dos gestores resultando em entrevistas curtas, como também a quantidade de gestores disponíveis na organização refletindo em um número restrito de entrevistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Augusto, C. A., Souza, J. P. D., Dellagnelo, E. H. L., & Cario, S. A. F. (2013). Pesquisa Qualitativa: rigor metodológico no tratamento da teoria dos custos de transação em artigos apresentados nos congressos da Sober (2007-2011). Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(4), 745-764.
Borba, A. M. D., & Luz, S. P. D. (2002). Formação continuada para docentes do ensino superior: apontamentos para novas alternativas pedagógicas. Pró-Reitoria de Ensino, Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí.
Bueno, J. M., Domingues, C. R., & Bueno, G. (2016). Feminilidade na gestão: sensibilidade e sensualidade na percepção de mulheres gerentes em uma instituição financeira. Revista Alcance, 23(2), 142-155. https://doi.org/10.14210/alcance.v23n2.p142-155
Cárdenas, M. C., Eagly, A. H., Salgado, E., Goode, W., Heller, L. I., Jaúregui, K., ... Tunqui, R. C. (2014). Latin American female business executives: An interesting surprise. Gender in Management, 29(1), 2-24. https://doi.org/10.1108/GM-06-2013-0067.
Carlomagno, M. C., & da Rocha, L. C. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1).
Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. In O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens.
Diniz, A. P. R., SILVA, A. D., & Menezes, R. S. S. (2011). Entre “Maria” e “Eva”: as representações sociais de executivas sobre a profissão. IN: XXXV Encontro Nacional da Anpad, Rio de Janeiro.
De Oliveira, S. B. (2017). Instrumentos de gestão pública. Rio de Janeiro: Editora Saraiva.
Ferguson, K. E. (1984). The feminist case against bureaucracy (Vol. 105). Temple University Press.
FERREIRA, L., SILVA, A., SILVA, D., & SOUSA, T. (2017). Mulheres em cargos de gerência e os desafios em conciliar vidas pessoal e profissional: um estudo em hotéis de São Luís-MA, Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento (RT&D)/Journal of Tourism & Development.
Ferreira, V. C. P. (2015). Modelos de gestão. Editora FGV.
Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de administração contemporânea, 5(SPE), 183-196.
Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas.
Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, 35(2), 57-63.
Henderson, P. A., de Araújo Ferreira, M. A., & Dutra, J. S. (2016). As barreiras para a ascensão da mulher a posições hierárquicas: um estudo sob a óptica da gestão da diversidade no Brasil. Revista de Administração da UFSM, 9(3), 488-505.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores 2013. 2a Edição. Rio de Janeiro.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estatísticas de Gênero - Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e pesquisas - informação demográfica e socioeconômica, n.38,2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/9d6f4faeda1f1fb7532be7a9240cc233.pdf. Acessado em 13/08/2018.
Kanan, L. A. (2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, 17(53).
Machado, H. V. (2006). Expressão emocional no exercício da atividade empreendedora por mulheres. Organizações & Sociedade, 13(38), 59-72. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-92302006000300004.
Moresi, E. (2003). Metodologia da pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 108, 24.
Mozzato, A. R., & Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747.
Villarta-Neder, M. A. (2013). Tudo Muda, mas Nada Muda?! O Discurso sobre a Imagem da Mulher nas Organizações. Encontro da ANPAD.
Silva Júnior, C. P. D., & Martins, O. S. (2017). Mulheres no conselho afetam o desempenho financeiro? Uma análise da representação feminina nas empresas listadas na BM&FBOVESPA. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 12(1).
Silveira, J. C. (2017). Forte como... uma mulher: uma análise dos desafios enfrentados pelas mulheres no mercado de trabalho.
Souza, C. G. D. Mulheres de negócios comandam? Uma análise do discurso a partir do editorial SEBRAE sobre a mulher. Signum: Estudos da Linguagem, 20(3), 213-239.

Downloads

Publicado

2020-09-01

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)