Estratégia como prática para o enfrentamento da crise hídrica: Um olhar para os praticantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.4.2.202

Palavras-chave:

Estratégia como prática; Práxis; Prática; Praticante; Crise Hídrica.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar, por meio de um estudo de caso, as estratégias implementadas pelos praticantes na Usina Hidrelétrica de Energia (UHE) Três Marias durante o período de agravamento da crise hídrica, sob a ótica da estratégia como prática. Para tanto, coube explanar sobre o conceito de estratégia como prática e seus elementos: prática, práxis e praticantes no referencial teórico.  O trabalho se constitui em um estudo de caso feito na Usina Hidrelétrica de Energia (UHE) Três Marias, localizada no Estado de Minas Gerais. Para a coleta de dados foram feitas entrevistas semiestruturadas. Obteve-se acesso a documentos como relatórios que também foram úteis à análise. Dentre os principais resultados verifica-se o relacionamento entre as ações implementadas e a teoria analisada, destacando os elementos da estratégia como prática. Além disso, percebeu-se que a tomada de decisão coletiva, a práxis, representou um atraso para as ações de enfrentamento da crise hídrica devido a interesses divergentes dos praticantes.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Fernandes da Cruz, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG

Mestrando em Administração no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Luana Jéssica Oliveira Carmo, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG

Bacharela em Administração pelo Cefet-MG, Mestranda em Administração pelo Cefet-MG

Lilian Bambirra de Assis, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG

Professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas do Cefet-MG

Referências

Amaral Filho, R. G., & Machado-da-Silva, C. L. (2006). Estratégia e teoria institucional: uma proposta discursiva de integração. Artigo apresentado no Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação em Administração - EnANPAD, Porto Alegre, Brasil.
ANA. (2015). Encarte Especial Sobre a Crise Hídrica. Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos – SPR, Agência Nacional de Águas (ANA), Brasília – DF.
Arksey, H., & Knight, P. T. (1999). Interviewing for social scientists: An introductory resource with examples. Sage.
Balogun, J., Jarzabkowski, P., & Seidl, D. (2007). Strategy as practice perspective.
Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2002. (Obra original publicada em 1977).
Biselli, F., Tonelli, M. J., & Silva, A. L. (2015). “Caminante, No Hay Camino, Se Hace Camino Al Andar”: Um Estudo sobre a Construção de Sentidos em Estratégia. Revista Ibero Americana de Estratégia, 14(4).
Clegg, S., Carter, C., & Kornberger, M. (2004). A" máquina estratégica": fundamentos epistemológicos e desenvolvimentos em curso. RAE-revista de administração de empresas, 44(4), 21-31.
Colla, J. E. (2012). Pesquisa em Strategy-as-Practice no Brasil: Considerações Iniciais sobre o Campo. Revista Ibero-Americana de Estrategia, 11(3), 33-60.
Coraiola, D. M., Oliveira, S. A., & Gonçalves, S. A. (2017). Se a estratégia é prática, quem são seus praticantes?. REBRAE. Revista Brasileira de Estratégia, 5(3), 231-242.
Ezzamel, M., & Willmott, H. (2004). Rethinking strategy: contemporary perspectives and debates. European Management Review, 1(1), 43-48.
Hocayen-da-Silva, A. J., & Costa, C. R. F. (2016). Contribuições da hermenêutica filosófica aos estudos da estratégia como prática. Revista Capital Científico-Eletrônica, 14(1), 133-147.
INPE – Instituto Nacinal de Pesquisas Espaciais. CPTEC – Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. Disponível em <http://tempo.cptec.inpe.br> Acesso em 05/03/2016.
Jarzabkowski, P. (2005). Strategy as practice: An activity based approach. Sage.
Jarzabkowski, P., Balogun, J., & Seidel, D. (2007). Strategizing: The challenges of a practice perspective. Human relations, 60(1), 5-27.
Jarzabkowski, P., & Whittington, R. (2008). Hard to disagree, mostly. Strategic Organization, 6(1), 101-106.
Jarzabkowski, P., & Spee, A. P. (2009). Strategy?as?practice: A review and future directions for the field. International Journal of Management Reviews, 11(1), 69-95.
Knights, D., & Morgan, G. (1991). Corporate strategy, organizations, and subjectivity: A critique. Organization studies, 12(2), 251-273.
Marconi, M. D. A., & Lakatos, E. M. (2011). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. Atlas.
Pettigrew, A. M. (1992). The character and significance of strategy process research. Strategic management journal, 13(S2), 5-16.
Pettigrew, A. M (1996). The Double Hurdles for Management Research. In: Clarke, T. & Mallory, G.(eds.): Advancement in Organizational Behaviour. Oxford: Blackwell.
Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European journal of social theory, 5(2), 243-263.
Rynes, S. L., Bartunek, J. M., & Daft, R. L. (2001). Across the great divide: Knowledge creation and transfer between practitioners and academics. Academy of management Journal, 44(2), 340-355.
Santos, M. S. D. (2013). Instituições e estratégia como prática: uma análise das estratégias de aquisição de matéria-prima dos produtores de biodiesel da Região Sul do Brasil.
Scott, W. R. (1997). Financial accounting theory. Upper Saddle River, NJ: Prentice hall.
Silva, A. R. L. (2007). Práticas Sociais e o" fazer estratégia": Um Estudo dos Comerciantes de Hortifrutícolas no Mercado da Vila Rubim.
Silva, F. O., & Hansen, P. B. (2012). Inserindo a estratégia como prática no campo dos estudos organizacionais: uma proposta de método de aplicação a partir de um caso prático. REBRAE. Revista Brasileira de Estratégia, 5(3), 255-267.
Starkey, K., & Madan, P. (2001). Bridging the relevance gap: Aligning stakeholders in the future of management research. British Journal of management, 12(4), 3-27.
Sztompka, P. (1991). Society in action: The theory of social becoming. University of Chicago Press.
Toulmin, S. E. (2009). Return to reason. Harvard University Press.
Tureta, C., & Lima, J. B. (2011). Estratégia como prática social: o estrategizar em uma rede interorganizacional. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 12(6).
Vaara, E., & Whittington, R. (2012). Strategy-as-practice: taking social practices seriously. Academy of Management Annals, 6(1), 285-336.
Walter, S. A., Augusto, P. O. M., & da Fonseca, V. S. (2011). O campo organizacional e a adoção de práticas estratégicas: revisitando o modelo de Whittington. Cadernos Ebape. BR, 9(2).
Whittington, R. (1992). Putting Giddens into action: social systems and managerial agency. Journal of management studies, 29(6), 693-712.
Whittington, R. (1996). Strategy as practice. Long range planning, 29(5), 731-735.
Whittington, R., & Mayer, M. (2000). The European corporation: Strategy, structure, and social science. Oxford University Press on Demand.
Whittington, R. (2001). Learning to strategise: problems of practice. Research Paper, (20).
Whittington, R. (2002). Improving the performance of contingent valuation studies in developing countries. Environmental and resource economics, 22(1), 323-367.
Whittington, R. (2003). The work of strategizing and organizing: for a practice perspective. Strategic organization, 1(1), 117-125.
Whittington, R. (2004). Estratégia após o modernismo: recuperando a prática. RAE-revista de administração de empresas, 44(4), 44-53.
Whittington, R. (2006). Learning more from failure: Practice and process. Organization Studies, 27(12), 1903-1906.
Wilson, D. C., & Jarzabkowski, P. (2004). Pensando e agindo estrategicamente: novos desafios para a análise estratégica. RAE-revista de administração de empresas, 44(4), 11-20.
Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Bookman editora.

Downloads

Publicado

2018-07-11

Edição

Seção

Artigos Científicos