Escalas para Mensurar Inovação:

Identificação de elementos utilizados para mensurar a inovação no contexto empresarial entre o período de 2000 a 2020

Autores

  • Esdras da Silva Costa Faculdade de Mauá - FAMA
  • Aline Crespo dos Reis Neto Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.8.2.564

Palavras-chave:

Inovação, Escalas de Mensuração, Categorias de Inovação, Dimensões das Escalas de Inovação, Micro e Pequenas Empresas

Resumo

Esta pesquisa objetiva verificar e analisar as escalas utilizadas para mensurar a inovação no contexto empresarial. Enquanto metodologia trata-se de uma pesquisa documental realizada a partir de documentos retrospectos e contemporâneos (escalas de inovação) cientificamente validadas e respaldadas em estudos publicados na área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo – ACT. A fase de levantamento dos artigos foi conduzida por uma revisão bibliométrica, com base em artigos revisados por pares, sendo a busca realizada na Plataforma Capes a partir da seleção de textos relacionados com a criação de escalas e instrumentos para mensurar inovação em Micro e Pequenas Empresas entre os períodos de 2000 a 2016. Os resultados da pesquisa identificaram que em alguns modelos as escalas de inovação contemplam apenas a mensuração de inovações em produtos e serviços, contudo em um ambiente competitivo e complexo, outros fatores inovativos devem ser explorados, tais como, inovações nos processos organizacionais e inovações nas estratégias de marketing. As escalas Redesist e o Radar da Inovação foram apontadas pela pesquisa como os modelos de escala mais robusto. Desse modo, a pesquisa corrobora com a existência de divergência no modo em que as escalas para mensurar inovação são utilizadas, em termos de conteúdo, dimensões e número de assertivas. Além de apontar uma lacuna na academia em termos e disponibilidade de ferramentas para mensurar a inovação no ambiente das Micro e Pequenas Empresas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Esdras da Silva Costa, Faculdade de Mauá - FAMA

Doutorado em Administração pela Universidade Municipal de São Caetano do SUL - USCS (2018). Mestradoem Administração pela Universidade Municipal de São Caetano do SUL - USCS (2016). Bacharel emAdministração de Empresas pela Faculdade de Mauá - FAMA (2014) e Graduação em Processos Gerenciais pelaFaculdade de Mauá - FAMA (2012). Professor e pesquisador na Instituição de Ensino Superior Faculdade deMauá - FAMA e Faculdade de Ribeirão Pires - FRP. Membro do Núcleo Docente Estruturante - NDE, dos núcleosde negócios da Faculdade de Mauá - FAMA. Coordenador da Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios(Guardabassio Educacional/FAMA/FRP). Revisor de Artigos Científicos do SemeAd - Seminários em AdministraçãoFEA/USP, Revista Internacional de Desenvolvimento Local (Interações) e Desenvolvimento Regional em Debate -DRd. Atuou como Coordenador da Comissão Própria de Avaliação - CPA (Faculdade de Mauá - FAMA). Atuoucomo coordenador dos Cursos Técnicos em Administração de Empresas, Técnico em Recursos Humanos eCoordenador administrativo do Curso Técnico em Radiologia Médica - Instituição: Núcleo Educacional Renil doBrasil. Experiência nas áreas de Gestão (Coordenação) e Docência Acadêmica.

Referências

Albuquerque, E. D. M. (1996). Sistema nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista de Economia Política, 16(3), 63.

Alegre, J., Lapiedra, R., & Chiva, R. (2006). A measurement scale for product innovation performance. European Journal of Innovation Management, 9(4), 333-346.

Araújo, A. K., & de Araújo, R. M. (2013). A inovação de processos: um estudo no segmento de restaurante. CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, 7(3), 176-196.

Atuahene?Gima, K., Slater, S. F., & Olson, E. M. (2005). The contingent value of responsive and proactive market orientations for new product program performance. Journal of product innovation management, 22(6), 464-482.

Bachmann, D. L., & DESTEFANI, J. H. (2008). Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE. XVIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Aracaju.

Bakar, L. J. A., & Ahmad, H. (2010). Assessing the relationship between firm resources and product innovation performance: A resource-based view. Business Process Management Journal, 16(3), 420-435.

Barboza, R. A. B., Fonseca, S. A., & Ramalheiro, G. C. F. (2015). Inovação em micro e pequenas empresas por meio do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas. RAI-Revista de Administração e Inovação, 12(3), 329-349.

Botelho, D., & Guissoni, L. (2016). Varejo: competitividade e inovação. Revista de Administração de Empresas, 56(6), 596-599.

Carvalho Pereira, F., Verocai, H. D., Cordeiro, V. R., & Gomes, C. F. S. (2016). Sistemas de informação e inovação: um estudo bibliométrico. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management (Online), 13(1), 81-100.

Cheng, C. F., Chang, M. L., & Li, C. S. (2013). Configural paths to successful product innovation. Journal of Business Research, 66(12), 2561-2573.

Cooper, R. G. (2009). How companies are reinventing their idea-to-launch methodologies. Research-Technology Management, 52(2), 47-57.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Research methods. Boston, MA: Irwin.

Correia, T. J. (2014). Estratégias de comunicação de marketing em redes de inovação: estudo de caso Madan Parque (Doctoral dissertation).

Etzkowitz, H., & Zhou, C. (2017). Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, 31(90), 23-48.

Galão, F. P. Pomin Frutos, F. P., da Silva, V. A., & Nei Pacagnan, M. (2007). A relação da orientação para o mercado e o comportamento inovador das indústrias do vestuário. Revista Ibero Americana de Estratégia, 6(2).

Gomes, G., & Wojahn, R. M. (2015). Aprendizagem organizacional, inovação e desempenho: estudo em pequenas e médias empresas (PMEs). Seminários em Administração, 8, São Paulo, SP, Brasil

Gupta, S., Malhotra, N. K., Czinkota, M., & Foroudi, P. (2016). Marketing innovation: A consequence of competitiveness. Journal of Business Research, 69(12), 5671-5681.

Hannachi, Y. (2015). Development and validation of a measure for product innovation performance: the PIP scale. Journal of Business Studies Quarterly, 6(3), 23.

Heidt, T. V. D. (2008). Developing and testing model of cooperative interorganizational relationships (IORs) in product innovation in an Australian manufacturing context: A multi-stakeholder perspective. Sourthern Cross University, Lismore.

Im, S., Nakata, C., Park, H., & Ha, Y. W. (2003). Determinants of Korean and Japanese new product performance: An interrelational and process view. Journal of International Marketing, 11(4), 81-112.

Lastres, H. M. M., & Cassiolato, J. E. (2000). Sistemas de inovação: políticas e perspectivas.

Lara, F. F., & Guimarães, M. R. N. (2014). Competitive priorities and innovation in SMEs: a Brazil multi-case study. Journal of Technology Management & Innovation, 9(3), pp. 51-64.

Lewandowska, M. S., Szymura-Tyc, M., & Go??biowski, T. (2016). Innovation complementarity, cooperation partners, and new product export: Evidence from Poland. Journal of Business Research, 69(9), 3673-3681.

Love, J. H., Roper, S., & Vahter, P. (2014). Dynamic complementarities in innovation strategies. Research policy, 43(10), 1774-1784.

Machado, N. S., Luchese, G. T. & Bencke, F. F. (2019). Gestão da Inovação: O caso da celulose Irani (SC). RASI, Volta Redonda/RJ, v. 5, n. 1, pp.57-76, jan./abr.

Manthey, N.B., Verdinelli, M. A., Rossetto, C. R., & Carvalho, C. E. (2016). Desempenho da inovação de produto: teste de uma escala para aplicação em PME´ s. Revista Ibero Americana de Estratégia, 15(4).

Marques, A., & Abrunhosa, A. (2005). Do modelo linear de inovação à abordagem sistémica-aspectos teóricos e de política económica. CEUNEUROP Discussion Papers, 33.

Matias-Pereira, J. M. (2011). A gestão do sistema de proteção à propriedade intelectual no Brasil é consistente?. Independent Journal of Management & Production, 2(2), 44-74.

Meissner, D., & Kotsemir, M. (2016). Conceptualizing the innovation process towards the ‘active innovation paradigm’—trends and outlook. Journal of Innovation and Entrepreneurship, 5(1), 14.

Melo, T. M., Fucidji, J. R., & Possas, M. L. (2015). Política industrial como política de inovação: notas sobre hiato tecnológico, políticas, recursos e atividades inovativas no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, 14, 11-36.

Monpeam, F. L. A. (2014). A inovação em processos: uma análise da dimensão processos no comércio varejista do Vale do Itajaí. Cadernos de Inovação em Pequenos Negócios: comércio [recurso eletrônico], Sebrae, CNPq. v. 2, n.2.

Monteiro, D. W. (2008). Inovação de produtos: um estudo de caso sobre o serviço de videoconferência em telefonia celular. Revista Eletrônica de Gestão de Negócios, Santos, 78-102.

Néto, A. T. D.S., & Teixeira, R. M. (2011). Mensuração do grau de inovação de micro e pequenas empresas: estudo em empresas da cadeia têxtil-confecção em Sergipe.

Oliveira, M. D. F. S., Ferreira, R. J., da Silva, G. J., & de Oliveira Lima, R. R. B. (2016). O impacto das práticas inovadoras de micro e pequenos empreendedores na prosperidade de seus negócios. Revista Capital Científico-Eletrônica (RCC?)-ISSN 2177-4153, 14(3), 100-116.

O’Regan, N., & Ghobadian, A. (2004). The importance of capabilities for strategic direction and performance. Management decision, 42(2), 292-313.

Ošenieks, J., & Babauska, S. (2014). The relevance of innovation management as prerequisite for durable existence of small and medium enterprises. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 110, 82-92.

Oslo, O. M. (2005). Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

Paredes, B. J. B., Santana, G. A., & de Albuquerque Fell, A. F. (2014). Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 4(1), 76-88.

Passos, A. (2014). Inteligência competitiva é estratégia. Revista Inteligência Competitiva, 4(4), 14-16.

Plonski, G. A. (2017). Inovação em transformação. Estudos Avançados, 31(90), 7-21.

Reina, M. A importância de uma Gestão Estratégica para o Processo de Inovação nas Empresas. In XI Congresso Nacional de Excelência em Gestão (Vol. 13).

Reichert, F. M., Camboim, G. F., & Zawislak, P. A. (2015). Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie (Mackenzie Management Review), 16(5).

Rosa, O. (2015). Ações avançadas de ambiência inovador: o reflexo dos resultados no grau global de inovação. Caderno de Inovação em Pequenos Negócios, v.3, n.3. Brasília: Sebrae

Sawhney, M., Wolcott, R. C., & Arroniz, I. (2006). The 12 different ways for companies to innovate. IEEE Engineering Management Review, 35(1), 45-52.

Silva, J. C., Leite, R. de T. & Oliveira, M. A (2016). Capacidades de Inovação e Indicadores Não Convencionais: um estudo exploratório. RASI, Volta Redonda/RJ, v. 2, n. 2, pp.167-186. jul./dez.

Sok, P., & O'Cass, A. (2015). Examining the new product innovation–performance relationship: Optimizing the role of individual-level creativity and attention-to-detail. Industrial Marketing Management, 47, 156-165.

Stefanovitz, J. P. (2011). Contribuições ao estudo da gestão da inovação: proposição conceitual e estudo de casos (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Schumpeter, J. A. (1964). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultura.

Spezamiglio, B. S, Galina, S. R. V., & Calia, R. C. (2016). Competitividade, inovação e sustentabilidade: uma inter-relação por meio da sistematização da literatura. REAd-Revista Eletrônica de Administração, 22(2).

Terra, N., Barbosa, J. G., & Bouzada, M. A. (2015). A influência da inovação em produtos e processos no desempenho de empresas brasileiras. INMR - Innovation & Management Review, 12(3), 183-208. Recuperado de http://www.journals.usp.br/rai/article/view/101363

Tidd, J., Bessant, J. & Pavitt, Keith. (2008). Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Ulusoy, G. & Yegenoglu, H. (2005). Performance and Competitive Strategies in the Turkish Manufacturing Industry, Sabanci University, Istanbul, p.1-11.

Downloads

Publicado

2022-05-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)