Estabelecendo o Modelo de Negócio de Incubadoras

Delineamento sob a ótica da Literatura Nacional e Internacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.6.1.318

Resumo

Devido à importância e o caráter dinâmico das incubadoras de empresas, essas organizações precisam ser gerenciadas como verdadeiras empresas. Dessa forma, o modelo de negócio é uma ferramenta gerencial importante aos gestores das incubadoras, uma vez que permite que eles alcancem os objetivos específicos e sociais dessas instituições. A partir disso, o objetivo desse artigo foi apresentar o modelo de negócio de incubadora de empresas sob a luz da literatura nacional e internacional. Para que, recorreu-se a revisão de literatura, iniciando-se com os artigos apontados por Antunes et al. (2017). Como principal resultado, obteve-se que o negócio intrínseco da incubadora pode ser dividido em duas lógicas, as dos mantenedores e das incubadas, verificadas sob seis elementos valor, clientes, receitas, processos-chave, recursos e stakeholders. Por fim, tal artigo contribui com a disseminação do modelo de negócio como uma ferramenta gerencial pertinente a essas instituições, bem com nível de análise para futuras pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, Universidade Federal de Lavras

Formado em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Mba Executivo pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Mestre em Administração pela UFLA. Linha de pesquisa na área de redes interorganizacionais e formação docente. Professor substituto do Instituto Federal de Minas Gerais, campus Formiga. Atuação profissional na área de qualidade.

Referências

Aaboen, L. (2009). Explaining incubators using firm analogy. Technovation, 29(10), p. 657-670.
Aernoudt, R. (2004). Incubators: tool for entrepreneurship? Small Business Economics, 23(2), p. 127-135.
Andino, B. R. A; Fracasso, E. M; Silva, P. G. L. & Lobler, M. L. (2004). Avaliação do Processo de Incubação de Empresas em Incubadoras de Base Tecnológica. In: XVIII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro.
Andrade, M. M. (2010). Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 10.ed. São Paulo: Atlas.
Antunes, L. G. R; Souza, T. A; Mineiro, A, A; De Paula, J. S. & Sugano, J. Y. (2017). Modelos de Negócio de Incubadoras de Empresas: Revisão de Escopo. In: X Congresso de Administração, Sociedade e Inovação, Anais..., Petrópolis.
Aranha, J. A. S. (2002). Modelo de gestão para incubadoras de empresas. Rio de Janeiro: Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro.
Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologia Avançada (ANPROTEC). (2016). Estudo de Impacto Econômico: segmento de incubadoras de empresas no Brasil. Brasília, DF: APROTEC: SEBRAE.
Ateljevic, J. & Dawson, A. S. F. (2010). Business incubators: new mechanism for economic/enterprise development or passing fad? Exploring complex relationship of the growing phenomenon in the context of Scotland. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 12 (2), p. 217-240.
Barbero, J. L; Casillas, J; Ramos, A. & Guitar, S. (2012). Revisiting incubation performance: How incubator typology affects results. Technological Forecasting and Social Change, 79 (5), p. 888-902.
Barbosa, L. G. F. & Hoffmann, V. E. (2011). Incubadora de empresas de base tecnológica: percepção dos empresários quanto aos apoios recebidos. In: XXXV Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro.
Bergek, A & Norrman, C. (2008). Incubator best practice: A framework. Technovation, 28 (1), p. 20-28.
Bruneel, J; Ratinho. T. Clarysse, B. & Groen, A. (2012). The Evolution of Business Incubators: Comparing demand and supply of business incubation services across different incubator generations. Technovation, 32 (2), p. 110-121.
Burnett, H. H. M & McMurray, A. J. (2008). Exploring business incubation from a family perspective: how start-up family firms experience the incubation process in two Australian incubators. Small Enterprise Research, 16 (2), p. 60-75.
Campbell, C; Kendrick, R. C. & Ssmuelson, D. S. (1985) Stalking the latent entrepreneur: business incubators and economic development. Economic Development Review, 3 (2), p. 43-49.
Campos, J. P. C. (2015). A incubação de empresas: boas práticas e fatores críticos de sucesso. Dissertação de Mestrado em Gestão da Faculdade de Economia da Universidade de Coimba – FEUC.
Carmo, R. M & Nassif, V. M. J. (2005). Incubadoras de Empresas e a Capacidade Empreendedora das Pessoas. In: XIX Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., João Pessoa.
Casadesus-Masanell, R. & Ricart, J. E. (2010). From strategy to business models and onto tactics. Long range planning, 43 (2), p. 195-215.
Caulliraux, H. M. (2001) Modelo de gestão para incubadora de empresas: uma estrutura de indicadores de desempenho. Rio de Janeiro: Rede de Incubadoras do Rio de Janeiro.
Chakma, J; Masum, H. & Singer, P. A. (2010). Can incubators work in Africa? Acorn Technologies and the entrepreneur-centric model. BMC International Health and Human Rights, 10 (1) p. S7.
Cavazza, B. H; Souza, T. A; Antunes, L. G. R; Mineiro, A. A. C. & Zambalde, A. L. (2018). Modelos de Negócios como Unidade de Análise: Um estudo Comparativo. In: Atena Editora. (Org.). A Gestão Estratégica na Administração. 1ed. Ponta Grossa: Atena, (3), p. 188-207.
Chandra, A; Chao, C. & Astolpho, E. C. (2014). Business incubators in Brazil: does affiliation matter? International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 23 (4), p. 436-455.
Chavez, C. M. L. & Silva, M. C. M. (2004). As Incubadoras de Empresas como Parceiras dos Empreendedores – Um Estudo Sobre as Incubadoras Situadas no Nordeste. In: XVIII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro.
Decreto n. 9.283, de 07 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016, Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e altera o Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. . Brasília, DF. Recuperado em 21 de dezembro de 2018, de < http://www.planalto.gov.br >
Dutt, N; Hawn, O; Vidal, E; Chatterji, A. & Mitchell, A. M. W. (2016). How open system intermediaries address institutional failures: The case of business incubators in emerging-market countries. Academy of Management Journal, 59 (3), p. 818-840.
Engelman, R; Fracasso, E. M. & Brasil, V. S. (2011). A qualidade percebida nos serviços de incubação de empresas. Revista Eletrônica de Administração, 17 (3) p. 802-822.
Etzkowitz, H; Mello, J. M. C. & Almeida, M. (2005). Towards “meta-innovation” in Brazil: The evolution of the incubator and the emergence of a triple helix. Research Policy, 34 (4), p. 411-424.
Fiates, G. G. S; Fiates, J. E. A; Chieriguini, T. & Ueno, A. T. (2008). Um Estudo Analítico de um Sistema de Incubação e uma Proposta para Aperfeiçoamento Orientada a Aumentar o Valor Agregado e ás Taxas de Crescimento dos Empreendedores Incubadors. In: XXXII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Salvador.
Grimaldi, R. & Grandi, A. (2005). Business incubators and new venture creation: an assessment of incubating models. Technovation, 25 (2), p. 111-121.
Hackett, S. M. & Dilts, D. M. (2004). A systematic review of business incubation research. The Journal of Technology Transfer, 29 (1), p. 55-82.
Hansen, M. T; Chesbrough, H. W; Nohria, N. & Sull, D. N. (2000). Networked incubators. Harvard Business Review, 78 (5) p. 74-84.
Lalkaka, R. (1996). Technology business incubators: critical determinants of success. Annals of the New York Academy of Sciences, 798 (1) p. 270-290.
Lefebvre, V. M; Raggi, M; Viaggi, D; Sai-Ljungstrom, C; Minarelli, F; Kuhne, B & Gelllynck, X. (2014). SMEs' Preference for Innovation Networks: A Choice Experimental Approach. Creativity and Innovation Management, 23(4), 415-435.
Ledner, C & Dowling, M. (2007). The organisational structure of university business incubators and their impact on the success of start-ups: an international study. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 7 (6) p. 541-555.
Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre Incentivos à Inovação e à Pesquisa Científica e Tecnológica no Ambiente Produtivo. Brasília, DF. Recuperado em 21 de dezembro de 2018, de < http://www.planalto.gov.br >
Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Brasília, DF. Recuperado em 21 de dezembro de 2018, de < http://www.planalto.gov.br>.
Madichie, N. (2010). O. Business incubation in the UAE: prospects for enterprise development. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 12 (3-4), p. 291-310.
Maletz, E. A. & Siedenberg, D. R. (2007). A Gestão dos Fatores Críticos de Sucesso nas Incubadoras de Empresas da Região do Ruhr – Alemanha. In: XXXI Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro.
Martins, G. A & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. 3 ed. Saõ Paulo: Atlas.
Mayer-Granados, E. L. & Jiménez-Almaguer, K. P. (2011). Las incubadoras de negocios en México: un análisis descriptivo. CienciaUAT, 6 (2), p. 08-13.
Medeiros, J. A. & Atas, L. (1994). lncubadoras de Empresas: Balango da Experiéncia Brasileira. Revista de Administração, 30(1), p.19-31, São Paulo.
Moreira, J. H. (2002). Modelo de gestão para incubação de empresas orientado a capital de risco. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Mian, S. A. (1996). The university business incubator: a strategy for developing new research/technology-based firms. The Journal of High Technology Management Research, 7 (2) p. 191-208.
Michel, M. H. (2015). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 3. ed. São Paulo: Atlas.
Oliveira, L. J. R. & Dagnino, R. P. (2004). Os Fatores Determinantes do Surgimento e do Desenvolvimento das Incubadoras de Empresas no Brasil. In: XVIII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro.
Osterwalder, A. (2004). The Business Model Ontology-a proposition in a design science approach.
Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2011). Perfil do suporte oferecido pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas. Revista Eletrônica de Administração, 17 (2), p. 330-359.
Schiopu, A. F.; Vasile, D. C. & Tuclea, C. E. (2015). Principles and best practices in successful tourism business incubators. Amfiteatru Economic, 17 (38), p. 474.
Russi Júnior, A. (1999). Metodologia para avaliação e seleção de projetos de empreendimentos de base tecnológica: com enfoque em Incubadoras de Empresas. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Silva, M. F. & Dolci, P. C. (2016). A formação de capacidades (de inovação, financeira e gerenciais) a partir do processo de incubação de empresas: o caso da ITEF/Feevale. In: XXXX Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Costa do Sauipe.
Sherman, H. & Chappell, D. S. (1998). Methodological challenges in evaluating business incubator outcomes. Economic Development Quarterly, 12 (4), p. 313-321.
Smilor, R. W. & Gill JunioR, M. D. (1986). The New Business Incubator: Linking Talent, Technology. Capital, and Know-how. Lexington Books.
Soetanto, D. & Jack, S. (2013). Business incubators and the networks of technology-based firms. The Journal of Technology Transfer, 38 (4), p. 432-453.
Stokan, E; Thompson, L. & Mahu, R. J. (2015). Testing the differential effect of business incubators on firm growth. Economic Development Quarterly, 29 (4), p. 317-327.
Totterman, H & Sten, J. (2005). Start-ups: Business incubation and social capital. International Small Business Journal, 23 (5), p. 487-511.
Vedovello, C & Figueiredo, P. N. (2005). Incubadora de inovação: que nova espécie é essa. RAE-eletrônica, 4 (1), p. 1-19.
Wiggins, J. & Gibson, D. V. (2003). Overview of US incubators and the case of the Austin Technology Incubator. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 3 (1-2), p. 56-66.
Wolffenbuttel, A. P. (2001). Avaliação do Processo de Interação Universidade-Empresa emIncubadoras Universitárias de Empresas: um estudo de caso na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da UNISINOS. Dissertação de Mestrado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
Zedtwitz, M. V. (2003). Classification and management of incubators: aligning strategic objectives and competitive scope for new business facilitation. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 3 (1-2), p. 176-196.
Zimmermann, D. M; Cario, S. A. F. & Rauen, A. (2009). Caracterização Econômica e Dinâmica Inovativa das Empresas de Software em Incubadora de Base Tecnológica em Santa Catarina. Análise, Porto Alegre, 20 (1), p.48-66, jan/jun.
Zouain, D. M. & Silveira, A. C. (2006). Aspectos estratégicos do modelo de gestão em incubadoras de empresas de base tecnológica. Cadernos Ebape.BR, 4 (3), p. 01-14.
Zouain, D. M & Torres, L. S. (2003). Fatores que Influenciam o Desempenho de Incubadoras Tecnológicas no Brasil: estudo de caso sobre três incubadoras localizadas em diferentes regiões do Brasil. In: XXVI Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Salvador.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)