Modelo de Negócio de Incubadoras de Empresas: Revisão de Escopo

Autores

  • Luiz Guilherme Rodrigues Antunes Universidade Federal de Lavras http://orcid.org/0000-0003-2997-2949
  • Thais Assis de Souza Universidade Federal de Lavras
  • João Paulo Nascimento da Silva Universidade Federal de Lavras
  • Gabriel Carvalho Lopes
  • Joel Yutaka Sugano Universidade Federal de Lavras

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.5.2.282

Palavras-chave:

Modelos de Negócio. Incubadora de Empresas. Revisão de Escopo.

Resumo

As incubadoras de empresas são ambientes inovativos que têm como finalidade fomentar a sobrevivência e o desenvolvimento de novos empreendimentos. No entanto, para alcançar tal finalidade é necessário que tais instituições sejam gerenciadas eficientemente como qualquer outro tipo de organização. Para isso é fundamental que se entenda a lógica subjacente desse modelo de negócio. Com base nisso, o objetivo principal do artigo é analisar o que se tem publicado na literatura sobre modelos de negócio de incubadoras de empresas. Assim, partindo-se de uma revisão de escopo, analisou-se um corpus de 30 artigos provenientes de base de dados e revistas internacionais e nacionais. Como principal resultado verificou-se que o tema ainda carece de maior aprofundamento teórico e empírico, visto a falta de artigos que discute essa temática. Por fim, são apresentadas algumas lacunas o que podem resultar em agendas de pesquisas futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, Universidade Federal de Lavras

Formado em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Mba Executivo pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Mestre em Administração pela UFLA. Linha de pesquisa na área de redes interorganizacionais e formação docente. Professor substituto do Instituto Federal de Minas Gerais, campus Formiga. Atuação profissional na área de qualidade.

Referências

Aernoudt, R. (2004). Incubators: tool for entrepreneurship?. Small business economics, 23(2), 127-135.
Andino, B., F., A. & Fracasso, E., M. (2005). Efetividade do Processo de Incubação de Empresas. In. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, 29.
Andino, B., F., A; Fracasso, E., M; Silva, P., G., L & Lobler, M., L. (2004) Avaliação do processo de incubação de empresas em incubadoras de base tecnológica. In Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, 28.
Anprotec. (2016). Estudo de Impacto Econômico: segmento de incubadoras de empresas no Brasil. Brasília, DF: APROTEC: SEBRAE.
Arksey, H. & O’Malley, L. (2005). Scoping studies: towards a methodological framework, International Journal of Social Research Methodology, 8, 1–14. https://doi.org/10.1080/1364557032000119616
Ateljevic, J. & Dawson, A. S. F. (2010). Business incubators: New mechanism for economic/enterprise development or passing fad? exploring complex relationship of the growing phenomenon in the context of Scotland. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 12(2), 217-240.
Barbero, J. L; Casillas, J. C; Ramos, A. & Guitar, S. (2012). Revisiting incubation performance: How incubator typology affects results. Technological Forecasting and Social Change, 79(5), 888–902. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2011.12.003
Barbero, J. L; Casillas, J. C; Wright, M; & Garcia, A. R. (2014). Do different types of incubators produce different types of innovations? Journal of Technology Transfer, 39(2), 151-168.
Barbosa, L., G., F. & Hoffmann, V., E. (2011). Incubadora de empresa de base tecnológica: percepção dos empresários quanto aos apoios recebidos. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, 35. 2011.
Bergek, A. & Norrman, C. (2008). Incubator best practice: A framework. Technovation, 28(1-2), 20-28. https://doi.org/10.1016/j.technovation.2007.07.008.
Bruneel, J., Ratinho, T., Clarysse, B., & Groen, A. (2012). The Evolution of Business Incubators: Comparing demand and supply of business incubation services across different incubator generations. Technovation, 32(2), 110-121.
Carayannis, E. & Zedtwitz M. V. (2005). Architecting gloCal (global–local), real-virtual incubator networks (G-RVINs) as catalysts and accelerators of entrepreneurship in transitioning and developing economies: lessons learned and best practices from current development and business incubation practices, Technovation 25 (2), 95–110. https://doi.org/10.1016/S0166-4972(03)00072-5.
Casadeusus-Masanell, R. & Ricart, J. E. (2010). From strategy to business models and to tactics. Long Range Planning, 43: 195-215. https://doi.org/10.1016/j.lrp.2010.01.004
Cavazza, B. H; Sousa, T. A.; Antunes, L. G. R.; Mineiro, A. A. C. & Zambalde, A. L. (2018). Modelos de Negócios como Unidade de Análise: Um estudo Comparativo. In: Atena Editora. (Org.). A Gestão Estratégica na Administração. 1ed. Ponta Grossa: Atena, v. 3, p. 188-207.
Chakman, J; Masum, H. & Singer, P. A. (2010). Can incubators work in Africa? Acorn Technologies and the entrepreneur-centric model. Bmc International Health and Human Rights, 10, 8. Doi 10.1186/1472-698X-10-S1-S7
Chaves, C., M., L. & Silva, M., C., M. (2004). As incubadoras de empresas como parceiras dos empreendendores – um estudo sobre as incubadoras situadas no Nordeste. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, 28.
Demil, B. & Lecocq, X. (2010). Business model evolution: In search of dynamic consistency. Long Range Planning, 43: 227-246. https://doi.org/10.1016/j.lrp.2010.02.004
Dutt, N. A; Hawn, O; Vidal, E; Chatterji, A. & McGahan, A. (2016). How open system intermediaries address institutional failures: the case of business incubators in emerging-market countries. Academy of Management Journal, 59(3), 818-840. https://doi.org/10.5465/amj.2012.0463
Engelman, R; Zen, C. & Fracasso, E. M. (2015). The impacto f the incubator on the internationalization of firms. Journal of Technology Management & Innovation, 10(1), 29-39. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242015000100003
Engelman, R., Fracasso, E., M. & Brasil, V. S. (2011). A qualidade percebida nos serviços de incubação de empresas. Revista Eletrônica de Administração (REAd), 70(3), 802-822. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-23112011000300009.
Fiates, G., G., S; Fiates, J., E., A., Chieriguini, T. & Ueno, A. T. (2008). Um Estudo Analítico de um Sistema de Incubação e uma Proposta para Aperfeiçoamento orientada a aumentar o valor agregado e às taxas de crescimento dos empreendimentos incubados Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, 32.
Grimaldi, R. & Grandi, A. (2005). Business incubators and new venture creation: An assessment of incubating models. Technovation, 25(2), 111–121. https://doi.org/10.1016/S0166-4972(03)00076-2
Hackett, S. & Dilts, D. (2004). A systematic review of business incubation research. Journal of Technology Transfer, 29(1), 55–82.
Hansen, M. T; Chesbrough, H. W; Nohria, N. & Sull, D. N. (2000). Networked incubators - Hothouses of the new economy. Harvard Business Review, 78(5), 74-+.
Klopper, R.; Lubbe, S.; Rugbeer, H. (2007). The matrix method of literature review. Alternation, Cape Town, v. 14, n. 1, p. 262-276.
Lefebvre, V. M., Raggi, M., Viaggi, D., Sia?Ljungström, C., Minarelli, F., Kühne, B., & Gellynck, X. (2014). SMEs' preference for innovation networks: a choice experimental approach. Creativity and Innovation Management, 23(4), 415-435. https://doi.org/10.1111/caim.12090
Lésakóva, L. (2012) The Role of Business Incubators in Supporting the SME Start-up. Acta Polytechnica Hungarica, 9(3), 85-95.
Madichie, N. O. (2010). Business incubation in the UAE: Prospects for enterprise development. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 12(3-4), 291-310. https://doi.org/10.1504/IJEIM.2010.035085
Maletz, E. A. & Sidenberg, E. R. (2007). A gestão dos fatores críticos de sucesso nas incubadoras de empresas da região do Ruhr – Alemanha. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, 31.
Martins, H. F; Mota, J; P. & Ferreira, C. M. M. (2015). Modelo de Negócio para Intervenções Públicas: o public governance canvas. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, 39.
Mayer-Granados, E. L. & Jiménez-Almaguer, K. P. (2011). Las incubadoras de negócios em México: um análisis descriptivo. CienciaUAT, 6(2), 8-13.
Mays, N; Roberts, E. & Popay, J. (2001). Synthesising research evidence. In N. Fulop, P. Allen, A. Clarke, & N. Black (Eds.), Studying the organisation and delivery of health services: Research methods. London: Routiedge.
Medeiros, J. A. & Atas, L. (1994). Incubadoras de empresas: balanço da experiência brasileira. Revista de Administração da USP, 30(1), 19-31.
Meirelles, D., S. (2015) Modelos de Negócio: definições, controvérsias e uma proposta de fundamentação teórica e metodológica. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, 39.
Oliveira, L., J., R. & Dagnino, R., P. (2004). Os fatores determinantes do surgimento e do desenvolvimento das incubadoras de empresas no Brasil. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, 28.
Osterwalder, A. (2004). The business model ontology - A proposition in a design science approach. Dissertation, 2004, 173, University of Lausanne, Switzerland.
Osterwalder, A. & Pigneur, Y. (2011). Business model generation: inovação em modelos de negócios. Alta Books Editora.
Pereira, D. L; Petrini, M. C. & Dalmarco, G. (2015). Uma proposição de modelos de negócio de empresas sociais. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, 39.
Porter M. E. (1985). Competitive Advantage: Creating and Sustaining Superior Performance. Free Press: New York.
Raupp, F. M. & Bauren, I. M. (2011). Perfil do suporte oferecido pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas. Revista Eletrônica de Administração (REAd), 69(2), 330-359.
Raupp, F. M. & Bauren, I. M. (2006). O suporte das incubadoras brasileiras para potencializar as características empreendedoras nas empresas incubadas. Revista de Administração da USP, 41(4), 419-430.
Rumrill, P. D; Fitzgerald, S. M. & Merchant, W. R. (2010). Using Scoping Literature Reviews as a Means of Undestanding and Interpreting Existing Literature. Speaking of Research, 399-404. Doi: 10.3233/WOR-2010-0998.
Scherer, P. C. & Petrini, M. C. (2015). Entendendo os negócios com impacto social: uma proposta de quadro referencial com elementos de um modelo de negócios com impacto social. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, 39.
Schiopu, A. F; Vasile, D. C. & Tuclea, C. E. (2015). Principles and best practices in successful tourism business incubators. Amfiteatru Economic, 17(38), 474-487.
Schwartz, M. & Hornych, C. (2012). Specialisation versus diversification: Perceived benefits of different business incubation models. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 15(3), 177-197. https://doi.org/10.1504/IJEIM.2012.046599
Sherman, H. & Chappell, D. S. (1998). Methodological challenges in evaluating business incubator outcomes. Economic Development Quarterly, 12(4), 313-321. DOI: 10.1177/089124249801200403
Silva, M., F. & Dolci, P., C. (2016). A formação de capacidades (de inovação, financeira e gerenciais) a partir do processo de incubação de empresas: o caso da ITEF/Feevale. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Costa do Sauípe, BA, 40.
Stokan, E; Thompson, L. & Mahu, R. J. (2015). Testing the differential effect of business incubators on firm growth. Economic Development Quarterly, v. 29, n. 4, p. 317-327.
Timmers, P. (1998). Business models for electronic markets. Electronic Markets, 8(2): 3-8.
Vedovello, C. & Figueiredo, P. N. (2005). Incubadora de Inovação: Que nova espécie é essa? RAE-Eletrônica, 4(1), 1-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1676-56482005000100006.
Villanova, A. L. I. (2016). Modelo de negócio na economia compartilhada: uma investigação multi-caso. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Costa do Sauípe, BA, 40.
Wiggins, J. & Gibson, D. V. (2003). Overview of US incubators and the case of the Austin Technology Incubator. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, v. 3, n. 1-2, p. 56-66.
Zedtwitz, M.V. (2003). Classification and management of incubators. International Journal of Entrepreneurship and Innovation Management, 3(1–2), 176–196. DOI: 10.1504/IJEIM.2003.002227
Zouain, D, M. & Silveira, A., C. (2006). Aspectos estratégicos do modelo de gestão em incubadoras de empresas de base tecnológica. Cadernos EBAPE.BR, 4(3), 1-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512006000300009
Zouain, D., M. & Torres, L., S. (2003). Fatores que Influenciam o Desempenho de Incubadoras Tecnológicas no Brasil: estudo de caso sobre três incubadoras localizadas em diferentes regiões do Brasil. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, 27.

Downloads

Publicado

2019-04-29

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)