Redes de Empresas e Technology Roadmapping: Possibilidade de Conciliação para uma Gestão Estratégica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20401/rasi.4.2.197

Resumo

Apresentando-se como uma estrutura complexa de interações, as redes interorganizacionais devem ser gerenciadas estrategicamente de forma a controlar variáveis dos negócios que influenciam no desempenho. Como uma ferramenta de apoio ao planejamento estratégico, o technology roadmapping (TRM), a partir de estruturação de roteiros baseados em tempo, objetivos e divisão de atividades por linhas setoriais de ação, capacita a gestão a reconhecer especificidades e traçar metas que alinhem objetivos estratégicos à disponibilidade tecnológica. Porém, como o technology roadmap pode ser associado com a gestão das redes de empresas? Como esta ferramenta pode ser utilizada a favor dessas configurações? Essas perguntas norteiam este ensaio teórico. Afim de responde-las, definiu-se como objetivo do presente artigo evidenciar a relação entre redes de empresa e technology roadmapping de forma a apresentar conciliações que facilitem e estimulem novos trabalhos no campo com foco em planejamento estratégico de redes interorganizacionais. Com intuito de complementar as evidências teóricas, também foi desenvolvido uma revisão de escopo sobre as temáticas afim de ressaltar a importância da aplicação do instrumento neste contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, Universidade Federal de Lavras

Formado em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), Pós graduação em MBA Executivo pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Cursando Mestrado Acadêmico em Administração na Universidade Federal de Lavras. Na área acadêmica, atuação como monitor das disciplinas de economia (aplicada, teoria econômica e economia industrial), participação no Grupo de Economia Industrial e Negócios Internacionais, Programa de Educação Tutorial (PET Administração) e Grupo de Estudo em Redes, Estratégia e Inovação (GEREI). Atuação por 3 anos, em 4 empresas, dos quais duas empresas eram do setor de Tecnologia da Informação e outras duas do setor de equipamentos médicos. Integrante do grupo de fundação do Grupo de Empresas para Prestação de Serviços à Saúde (GEPSS). Grandes conhecimentos em mapeamento de processos, ISO 9001. ISO 13.485, ISO 31000, RDC 16:2013, Gestão financeira, recrutamento e seleção, laçamento de produto no mercado, relação com órgãos de fomento, gestão de projetos, estruturação de departamentos, planejamento empresarial e desenvolvimento estratégico. Atualmente consultor pela Guida Consultoria, Assessoria e Treinamentos.

Thais Assis de Souza, Universidade Federal de Lavras

Administradora de empresas graduada (2011) pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) onde atualmente é mestranda no Departamento de Administração e Economia (2016-2018). Possui MBA em Gestão Estratégica de Negócios pela Universidade FUMEC (2015). Mestranda do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Lavras. Durante a graduação atuou como consultora e coordenadora na Empresa Júnior de Administração da Universidade (Ufla Junior 2009-2010). Experiência profissional como responsável por áreas de Recursos Humanos e Marketing (2011-2015).

Cléber Carvalho de Castro, Universidade Federal de Lavras

ossui graduação em Administração pela Universidade Federal de Lavras (1995), mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) e doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Lavras (PPGA/UFLA) no período de 2008 a 2010, Pró-Reitor Adjunto de Pós-Graduação em 2011 e Coordenador de Projetos do Centro de Educação a Distância (CEAD) no período de 2011 a 2012, além de ter atuado como professor em diversas instituições no Paraná (Unioeste, Univel, Unipar e Unifoz) e Rio Grande do Sul (Unisinos) e coordenador do Curso de Administração na Univel por 3 anos e Líder do Tema Inovação, Cooperação e Redes Organizacionais da Divisão de Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação da ANPAD em 2015 e 2016 e Coordenador Institucional UAB de 2011 a 2016. Atualmente é professor Associado da Universidade Federal de Lavras, líder do Grupo de Estudos em Redes, Estratégia e Inovação (GEREI), cadastrado no diretório do CNPq, orientador de Mestrado e Doutorado em Administração, pesquisador da FAPEMIG e CAPES (Líder do Projeto Pró-Administração que envolve quatro instituições), Diretor de Educação a Distância da UFLA, Coordenador Institucional Adjunto da Universidade Aberta do Brasil (UAB), consultor ad hoc para Avaliação Institucional e de Cursos Superiores do Ministério da Educação e é Coordenador Geral do Colóquio de Redes, Estratégia e Inovação desde sua primeira edição em 2010 e do Workshop de Redes, Estratégia e Inovação desde sua primeira edição em 2013. Tem experiência como professor, pesquisador, gestor educacional e consultor na área de Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: Redes de organizações, Aglomerados produtivos, Agronegócio e Gestão da tecnologia e inovação. 

Referências

Alday, H. E. C. (2000). O planejamento estratégico dentro do conceito de administração estratégica. Revista FAE, Curitiba, 3(2), 9-16.
Arksey H & O’Malley, L, (2005) Scoping studies: towards a methodological framework. International Journal of Social Research Methodology 8, 1–14.
Balestrin, A. & Vargas, L. (2004). A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorização e evidencias. Revista de Administração Contemporânea, 8(spe), 203-227.
Balestrin, J. A & Verschoore, R. (2014). Réplica – Redes são Redes ou Redes são Organizações?. Revista de Administração Contemporânea, 18(4), 523-533.
Balestrin, J. A & Verschoore, J. (2016). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia (2ª ed.). Porto Alegre: Brookman. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(3), 3-16.
Battistella, C., De Toni, A. F., & Pillon, R. (2015). The Extended Map methodology: Technology roadmapping for SMES clusters. Journal of Engineering and Technology Management, 38, 1-23.
Bernal, M. L., Dornberger, U., Torres, M. O., & Byrnes, M. T. (2009). Technology Roadmapping. International SEPT Program, Published by Universität Leipzig.
Bortolaso, I. V; Verschoore, J. R & Antunes Junior, J. A. (2013). Práticas de Gestão de Redes de Cooperação Horizontal: Proposição de um Modelo de Análise, 16(3), 3-16.
Capaldo, A. (2007). Network structure and innovation: the leverage of a dual network as a distincive relational capability. Strategic Management Journal, 28, 585-608.
Castells, M. (2005). A Sociedade em Redes. In Castells, M; Cardoso, G. A Sociedade em Redes: do conhecimento à Acção Política (17-30). Belém: Imprensa Nacional.
Castells, M. (2007). A Sociedade em Redes. In Castells, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura (209-259), São Paulo: Paz e Terra.
Chiavenato, I. & Sapiro, A. (2003). Planejamento estratégico. Elsevier. Brasil.
Fleury, S., & Teixeira, S. M. F. (2011). Gestão de redes: a estratégia de regionalização da política de saúde. FGV Editora.
Fleury, S. (2014). As redes e a difusão de inovações. In: Conhecimento, inovação e comunicação em serviços de saúde. Editora Fiocruz.
Grandori, A & Soda, G. (1995). Inter-firm network: antecedentes, mechanisms and forms. Organization studies, 16(2), 1-19.
Human, S. & Provan, K. G. (1997). Na Emergent Theory of Structure and Outcomes in Small-Firms Strategic Manufacturing Networks. The Academy of Management Journal, 40(2), 368-403.
Johnson-Cramer, M. E.; Parise, S & Cross, R.L. (2007) Managing chande throught networks and values. California Management Review, 47(3), 85-109.
Kappel, T. A. (2001). Perspectives on roadmaps: how organizations talk about the future. Journal of Product Innovation Management, 18(1), 39-50.
Lacoste, S. (2012). “Vertical Coopetition”: the key account perspective. Industrial Marketing Management, 41, 649-658.
Lange, K., Müller-Seitz, G., Sydow, J., & Windeler, A. (2013). Financing innovations in uncertain networks—Filling in roadmap gaps in the semiconductor industry. Research Policy, 42(3), 647-661.
Lee, S., & Park, Y. (2005). Customization of technology roadmaps according to roadmapping purposes: Overall process and detailed modules. Technological Forecasting and Social Change, 72(5), 567-583.
Merofa, A & Bueno, C. F. (2009, july) Coopetição: Uma Análise Teórica. Anais do IV Encontro de Estudos em Estratégia, Recife, PE, Brasil.
Miles, R. E & Snow, C. C. (1992). Causes of failure in network organizations. California Management Review, 34(2), 53-72.
Müller-Seitz, G., & Sydow, J. (2012). Maneuvering between networks to lead–A longitudinal case study in the semiconductor industry. Long Range Planning, 45(2), 105-135.
Nohria, N. (1992). Is a network perspective a usefull way of studyng organizations?. In Nohria, N & Eccles, R. G. Networks and organizations: structure, form and action (1-22). Boston: Harvard Business School Press.
Oliveira, A. L; Soares, A. S; Castro, C. C & Mesquita, D. L. (2012). Redes de Inovação em Clusters: o local e o global na criação de vantagem competitiva. E-tech: Tecnhologias para Competitividade Industrial, 5(1), 1-15.
Phaal, R., Farrukh, C.J.P. and Probert, D.R. (2001), T-Plan: the faststart to technology roadmapping - planning your route to success, Institute for Manufacturing, University of Cambridge.
Phaal, R., Farrukh, C. J., & Probert, D. R. (2004). Technology roadmapping—a planning framework for evolution and revolution. Technological forecasting and social change, 71(1), 5-26.
Phaal, R., Farrukh, C. J., & Probert, D. R. (2005). Developing a technology roadmapping system. Technology Management: A Unifying Discipline for Melting the Boundaries, 31, 99-111.
Prahlad, C. K & Ramaswamy, V. (2004). O Futuro da Competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parcerias com clientes. Rio de Janeiro: Elsevier.
Rumrill, P. D., Fitzgerald, S. M. & Merchant, W. R. (2010). Using Scoping Literature Reviews as a Means of Undestanding and Interpreting Existing Literature. Speaking of Research, 399-404.
Santos, M. D. M., Coelho, G. M., Santos, D. M. D., & Fellows Filho, L. (2010). Prospecção de tecnologias de futuro: métodos, técnicas e abordagens. Parcerias estratégicas, 9(19), 189-230.
Zajac, E. J & Oslen, C. P. (1993). From transaction cost to transaction value analysis: implications for the study of interorganizational strategies. Journal of Management Studies, 30 (1), 131-145.

Downloads

Publicado

2018-07-11

Edição

Seção

Artigos Científicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)